Iniciativa surgiu depois que Lorenzo Musotto, vereador de Milão, acompanhou a entrevista da médica Francesca Cortellaro, chefe do hospital San Carlo, e aderiu a ideia
(foto: NYT/Spedali Civili di Brescia)

“A ideia de não ser capaz de dizer adeus me machuca mais do que a própria morte e existem outros locais com idosos, hospitais e asilos, onde não há mais a possibilidade de se despedir.” É assim que o vereador de Milão Lorenzo Musotto resume o objetivo da campanha “o direito de dizer adeus”, que usa a tecnologia para oferecer algum conforto a pacientes terminais no Norte da Itállia. O país europeu tem o maior número de vítimas fatais causadas pelo novo coronavírus, quase 8 mil mortos. Somente nesta quarta-feira foram mais 683, segundo dados divulgados pelo jornal Corriere della Sera. 

 Ao lado de correligionários do Partido Democrático, ele vem arrecadando dinheiro para a compra de tablets a serem doados a hospitais e clínicas que estão cuidando de quem está morrendo. Como o isolamento social tem se mostrado o mais eficaz para conter a Covid-19, eles não têm ao lado os entes queridos justamente quando tanto precisam.

 A ideia surgiu depois de acompanhar entrevista da médica Francesca Cortellaro, chefe do hospital San Carlo, na qual ela contou da dor das pessoas que entraram no hospital sozinhas e que foram embora em total solidão, cientes do que estava para acontecer, e da falta de meios tecnológicos para videochamadas para parentes.

Leia a matéria completa no Correio Braziliense 

CB Paulo Galvão




Deixe o seu comentário